Altar Ego

quarta-feira, janeiro 11, 2006

Uma green à beira mar
























Distraída andava pela rua, à beira rio, distraída relembrando o dia de trabalho, a vontade de espairecer, a necessidade de férias, o fim de semana que se aproximava.

Passava gente à sua volta, alguns correndo, outros passeando o cão, outros ainda de bicicleta, mas ela altiva passeava lentamente, num andar sinuoso e vaidoso. Olhava por trás dos óculos escuros quem passava, avaliando de alto a baixo o aspecto, a forma de vestir, o movimento enquanto pensava no sucesso profissional e no ano findo que fora excelente em todos os aspectos. Financeiramente independente, bonita, sensual, culta e acima de tudo auto-suficiente e que corre atrás do que quer e normalmente o consegue. É uma daquelas mulheres bem sucedidas que manda na sua vida e não a deixa ser regida por outros...ou por sentimentos.

Andou por longo tempo, até que o sol se pôs deixando reflexos vermelhos e dourados nas águas do Rio, trazendo uma brisa fresca que se impôs ao calor sufocante do dia, trazendo os gritos das gaivotas, o cheiro a mar, os sons do entardecer, o mistério sensual da noite.

Ao desviar-se de alguém que corria de cão atrás as chaves caem-lhe da mão e sem querer chuta-as com o pé. Baixo-se para as apanhar e ao mesmo tempo que ela, uma mão morena as agarra. Lentamente levanta os olhos, para encontrar uns olhos negros e insondáveis, num rosto forte e sensual...uns olhos que também olham para ela, fixamente, sensualmente, com desejo e vontade de descobrir o que se esconde atrás do invólucro perfeito.

Levantam-se ainda com as mãos presas uma na outra, segurando as chaves, ela deixando a mão na dele mais tempo que o necessário, com um sorriso intencional, ele sentindo o calor da mão dela e um sentimento de posse e querer que se apodera totalmente dele. Um friozinho na barriga, aquele frio de antecipação da conquista e do prazer toma conta dela quando ele, calmamente, com uma voz rouca e grave estende as chaves e diz:

- Aqui tem!

- Obrigada...

- De nada, foi um prazer!

Vira-se lentamente, e num andar estudado e de sensualidade intencional e convidativa retoma a caminhada, sentindo-o andar atrás dela na mesma direcção, sentindo as costas arder com o olhar dele.

Senta-se na primeira esplanada que encontra e pede uma Green estupidamente gelada. Bebe-a lentamente, sentindo o sabor amargo-doce e o gelo da sua bebida preferida a acalmar-lhe os sentidos despertos pelo encontro.

- Boa tarde, o meu nome é Pedro, tenho por hobbie resgatar as chaves de donzelas perdidas nos pensamentos...por acaso não perdeu nenhumas?

Olho para ele, um sorriso no canto da boca, um riso no fundo do olhar.

- Boa tarde, eu sou a Susana. Por acaso até perdi, mas não seria melhor sentar-se para ver a sua coleção e ver quais serão as minhas?

Ele pede uma Bohemia e um prato de gambas...e ela pisca-lhe o olho, curvando-se sobre a mesa em direcção a ele...e ao prazer

Posted by simplesmente...mais eu :: 12:31 da manhã :: 6 Comments:

Post a Comment

---------------oOo---------------